Suspeita de sequestrar bebê disse que estava grávida e perdeu a criança

Manicure disse à polícia que uma mulher se ofereceu a 'conseguir' um bebê. Bebê de 45 dias foi tomada dos braços da mãe em Várzea Grande.
Menina foi localizada por PMs em uma casa em
Várzea Grande (Foto: Assessoria/ Polícia Civil-MT
A manicure de 37 anos que foi presa por suspeita de ter sequestrado uma menina de 45 dias, em Várzea Grande, na região metropolitana de Cuiabá, disse em depoimento à polícia que estava grávida de nove meses e que a criança morreu, e que por isso aceitou a ajuda de uma desconhecida que se ofereceu para 'conseguir' outro bebê para ela. Uma estudante de enfermagem que teria emprestado o carro para que o sequestro fosse cometido, na última sexta-feira (26), também foi presa. 

A polícia ainda investiga a existência dessa suposta mentora do crime. As duas suspeitas foram presas na noite de sexta-feira, assim como a filha adolescente de uma delas, que já foi liberada. Em depoimento na Central de Flagrantes de Várzea Grande, a manicure disse que três dias antes do sequestro havia ido ao Pronto-Socorro do município e que lá soube que o bebê que esperava estava morto. 

Contou ainda que entrou em desespero e que, quando estava chorando, foi abordada por uma mulher que se propôs a ajudá-la. Essa mulher, segundo a suspeita, contou que havia chegado de São Paulo havia pouco tempo e que lá já tinha cometido esse tipo de crime. E pediu para que a manicure arrumasse um carro para o sequestro do bebê. Dias depois, a manicure entrou em contato com uma amiga, pedindo ajuda para um 'trabalho'. 

De acordo com o depoimento da suspeita, a amiga a buscou em casa no dia do crime, por volta das 9h30 e as duas seguiram para o terminal de ônibus do município. Ainda do lado de fora, encontraram a suposta mentora do crime, que deu dinheiro para a manicure entrar no terminal. 

Depois a orientou, por telefone, a entrar no ônibus onde estava a mãe do bebê, Juliene Aparecida das Neves, e a instruiu a abordá-la quando ela descesse do veículo. A estudante, em companhia da outra suspeita, seguiu o ônibus. Quando este parou, Juliene desceu com a filha nos braços. 

A manicure saiu do coletivo em seguida e segurou a blusa da mãe. Nesse ínterim, a suposta mentora do crime desceu do carro e tomou a criança. Em seguida, ela e a manicure entraram no veículo e fugiram. A manicure disse que a mulher desceu do carro quanto estavam perto da estrada da Guarita. 

A suspeita contou à polícia ainda que, já em casa, soube do caso pela imprensa e que queria devolver o bebê, mas antes, iria esperar a 'poeira baixar'. O caso vai ser investigado pela Delegacia Especializada de Defesa da Mulher, da Criança e do Idoso de Várzea Grande, que deverá ouvir as suspeitas novamente.

G1 MT