CBF confirma Santos x São Paulo na Arena Pantanal

A CBF confirmou nesta quarta-feira que o clássico entre Santos e São Paulo, pela 36ª e antepenúltima rodada do Brasileirão, vai acontecer em Cuiabá, na Arena Pantanal. A entidade máxima do futebol brasileiro também confirmou que o jogo entre Flamengo e Criciúma, também em 23 de novembro, será em São Luiz do Maranhão.



Santos, Flamengo, Atlético-PR e Goiás são as quatro equipes que, até aqui, já atingiram ou se aproximaram bastante da pontuação mínima para não serem rebaixadas (45 pontos) ao mesmo tempo em que não brigam por vaga na Libertadores. Por isso, só cumprem tabela nas cinco últimas rodadas do Brasileirão.




Dos quatro, só o Atlético-PR não anunciou venda de mando de campo. O Santos já até recebeu o dinheiro relativo à negociação para levar o jogo contra o São Paulo para Cuiabá. Na tabela oficial do Brasileiro, a CBF escreveu no início da noite desta quarta-feira que a alteração do local do clássico se deu por um ‘acordo comercial‘.




O São Paulo, que ainda luta pelo título brasileiro, terá que fazer longa viagem. Faz clássico contra o Palmeiras no Morumbi no domingo (16), joga a primeira semifinal da Copa Sul-Americana contra o Atlético Nacional na quarta (19), em Medellín (Colômbia), de lá vai a Cuiabá pegar o Santos no domingo (23) e depois decide vaga na final da competição continental em São Paulo, na outra quarta-feira (26).




Da mesma forma que o Santos, o Flamengo busca fazer renda vendendo o mando de campo em partidas em que, em casa, não teria grande apoio da torcida. No dia 23, às 17h, vai pegar o Criciúma no Castelão, no Maranhão. A equipe volta a jogar como mandante na 37.Ð rodada, contra o Vitória, e existe a possibilidade de esse jogo também não ser no Rio. O Santos, nesta rodada, vai receber o Botafogo.




Na próxima quarta-feira, outro jogo que teve o mando de campo vendido será entre Goiás e Corinthians, no Mangueirão, em Belém (PA). O time goiano vai aproveitar que o rival tem grande torcida para arrecadar um dinheiro extra. 

Estadão.com.br

Comentários