Jovem deixou bilhetes e vídeo de despedida, afirma delegada


A delegada Anaíde Barrosa, da Delegacia de Homicídio e Proteção a Pessoas (DHPP), confirmou que a jovem Ariane Noite, de 26 anos, cometeu  suicídio. E que o ato já havia sido premeditado.

Ariane se jogou do 19° andar do edifício Portal da Amazônia, na Avenida Dr. Hélio Ribeiro, próximo ao Centro Político Administrativo, no início desta tarde (27).

De acordo com a delegada, que esteve no local, "não há dúvidas" de que a jovem planejou tirar sua própria vida, já que foram encontrados bilhetes de despedidas e até um vídeo.

“Não há dúvidas de que o crime foi premeditado e de que, infelizmente, ela quis isso. Encontramos vídeos e bilhetes. O caso, para nós, está concluído”, disse a delegada.

Um bilhete, que estava no bolso da calça da jovem, era destinado ao seu pai. A outra carta foi deixada no apartamento que a jovem visitava no edifício, minutos antes dela pular do prédio. 


"Ela mandou uma filmagem para mãe, dizendo que a família era maravilhosa, mas que não conseguia mais conviver com seus pensamentos"

“Em um dos bilhetes estava escrito 'meu nome é Ariane, o meu pai é João', seguido do número de telefone do pai dela, acompanhado do pedido para ligar para ele”, disse.

Além disso, um vídeo em que a jovem pede desculpas à mãe pela ação, também foi encontrado no celular de Ariane.

“Ela mandou uma filmagem para mãe, dizendo que a família era maravilhosa, mas que não conseguia mais conviver com seus pensamentos”, contou Anaíde.

Depressão

João Almeida, pai de Ariane, informou à Polícia Civil que a jovem sofria de depressão e já demonstrou sinais de suicídio. 

Inclusive, em publicações feitas hoje na rede social Facebook, a jovem postou um poema que dizia: “Traumatismo craniano. Fruto de mergulho profundos em pessoas rasas".

Segundo o pai de Ariane, ela já havia passado por terapia e tratamento médico durante anos e a família acreditava em sua melhora, principalmente porque a jovem tinha sido aprovada em um concurso público recentemente e aparentava felicidade.

“A família da jovem era natural de Colíder, mas moravam todos aqui. Não sabemos a motivação do suicídio. Os pais preferiram não falar sobre os problemas de Ariane”, finalizou.

Mídia News

Comentários