Redes sociais ajudam encontrar cães e gatos perdidos

DIÁRIO DE CUIABÁ
As redes sociais estão ajudando a encontrar animais de estimação perdidos, em Cuiabá e Várzea Grande. Os internautas realizam ampla varredura em Petshops, canis e clínicas veterinárias da região e também fazem campanha para recuperar os animaizinhos. 

Perder um cão ou um gato está entre as piores dores do ser humano, pois para muitos, os animais são membros da família. A pior parte é a incerteza se o animal continua vivo para voltar pra casa ou algo pior possa ter acontecido. 

Há algumas semanas este temor tomou conta do casal de aposentados Umbelina Baleroni e Euclides Baleroni, ambos com 72 anos. 

De acordo com o filho, o advogado, Orlando Baleroni, de 41 anos, após ele e os irmãos se casarem o casal passou a viver sozinho. Há sete anos, a dupla decidiu espantar a solidão e adotar um cãozinho da raça Lhasa Apso, batizado com o nome Cori. 

Conforme Orlando, o casal não desgrudava do animal que de tão obediente chegava a andar sem coleira. Até que certo dia, enquanto pagavam algumas contas no caixa de autoatendimento do banco, o cãozinho desapareceu. “Minha mãe ficou desesperada. Eles eram muito grudados, tanto é que ela me ligou chorando copiosamente”. 

Orlando contou que ficou sabendo de uma página no Facebook que fazia anúncios de animais perdidos. Ele imediatamente enviou uma foto do cachorro para o grupo, que reenviou para grupos do Whatsapp e Instagran, e em menos de quatro horas, o casal já havia recuperado o animalzinho.

“Ele estava em um Petshop, parece que alguém encontrou na rua e o deixou no local. Eu não sei se minha mãe chorou mais quando ele sumiu ou quando se reencontraram”. 

A ideia de se criar uma página para divulgar fotos e informações de animais perdidos partiu da advogada Renata, de 37 anos. A advogada contou que há três anos participava de grupo de adoção de animais no Facebook, quando sentiu a necessidade de criar um canal com mais alcance para ajudar as pessoas a buscarem seus animaizinhos. 

Foi então que ela criou a página Animais Perdidos Cuiabá, no Facebook e Instagran. A advogada afirmou que não consegue mensurar quantas pessoas já conseguiram recuperar seus bichinhos, porém se surpreende cada vez mais com o retorno que tem dos participantes. 

Atualmente a página no Facebook conta com 1,2 mil seguidores enquanto o perfil do Instagram com 3,6 mil. Segundo Renata, ela administra tudo sozinho, o que impossibilita de fazer um trabalho ainda melhor. “Assim que recebemos a informação divulgamos nos dois canais e espalhamos para outras páginas parceiras. Também divulgamos para Ongs, Petshops e clínicas veterinárias. Quanto antes for divulgado, maior a chance de recuperação.” 

No ano passado o Brasil ganhou uma rede social específica em busca de animais perdidos. O Procura-se Cachorro funciona como um centralizador dos casos. A ferramenta cruza as informações e envia alertas aos usuários quando há compatibilidade física e proximidade entre o cão procurado e o encontrado. Além das buscas, a rede social ainda centraliza listas de cães disponíveis para adoção de outros sites.

Comentários