Seleção Brasileira deve jogar de novo no País um ano após vexame


A seleção só voltará a jogar no Brasil quase um ano depois de ter encerrado a sua triste participação na Copa do Mundo de 2014. O plano é fazer uma partida em casa em junho, na reta final da preparação para a Copa América - que será disputada em julho no Chile.
Pela programação da CBF, dois amistosos estão sendo negociados para março. No dia 23, a seleção deve enfrentar a França, em Paris. E, no dia 31, o adversário provavelmente será a Arábia Saudita. Oficialmente, a entidade ainda não confirma os jogos. Mas admite a negociação. São as únicas datas Fifa antes da convocação do grupo que Dunga levará para a Copa América.
A seleção brasileira tem todos seus direitos comerciais nas mãos de um grupo saudita, a ISE, que explora a realização de amistosos e tem contrato firmado com a CBF até 2022. Antes do Mundial, a programação era de que a Copa América de 2015 ocorreria no Brasil. Mas o presidente da CBF, José Maria Marin, optou por ceder o lugar para o Chile e ficar com o torneio apenas em 2019.
Além de agradar aos chilenos, a estratégia tinha como alvo proteger a seleção. Marin confirmou que pensou em um eventual cenário de derrota na Copa do Mundo e como seria a recepção ao time nestas condições outra vez nos estádios brasileiros.
Entre os jogadores, as opiniões se dividem sobre o que foi o ano de 2014. Neymar, ao deixar o amistoso contra a Áustria na última terça-feira, apontou que o ano foi de ‘aprendizado e superação‘. Para David Luiz, os jogadores estão mais maduros. ‘Temos de deixar a Copa no passado e pensar no futuro‘, declarou o meia Willian, que esteve no Mundial. ‘Estamos começando a superar aquele trauma‘.
OTIMISMO - Para novatos como Roberto Firmino, o final de ano foi da oportunidade. ‘Espero estar na seleção em março. Não esperava que desse tão certo‘, afirmou o meia do Hoffenheim (Alemanha), autor do golaço que garantiu a vitória sobre os austríacos. Anderson Talisca é outro que volta ao seu clube, o Benfica, mais confiante. E jogadores como o meia Douglas Costa também impressionaram o treinador e devem ter novas chances.
Dunga, que conquistou seis vitórias em seis jogos disputados (14 gols a favor e um contra), quer retomar o trabalho em março ciente de que tem mais opções para cada posição do que ele mesmo imaginava. ‘Temos de continuar fazendo testes e renovando a equipe‘.
Estadão.com.br

Comentários