Vereador aciona colega na Justiça após ser chamado de "bicha louca"

O vereador Fábio Saad, que acionou a Justiça
para impedir comentários ofensivos

A Justiça determinou que a vereadora Miriam Pinheiro (PHS), de Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá, e o marido dela, Sérgio Dorivaldo Alliend, retirassem comentários ofensivos contra o vereador Fábio Saad (PTC) das redes sociais. 

O parlamentar teria sido chamado de 'bicha louca' pelo marido da colega após uma discussão na Câmara de Vereadores acerca de um projeto de lei que tratava da alteração do nome de uma escola pública municipal, no Bairro São Mateus. A decisão foi proferida no dia 18 do mês passado.

Ao G1 Sérgio Alliend, que é servidor público do município e presidente da Associação de Moradores do Bairro São Mateus, disse nesta quarta-feira (7) que ainda não havia sido notificado da decisão, mas que já apagou a publicação da página dele em um site de relacionamento porque tinha tomado conhecimento da determinação do juiz.

Sérgio alegou que a mulher, que é vereadora, defende que os prédios públicos tenham nomes de pessoas que já morreram. Por isso, pretendia trocar o nome de uma escola do bairro para homenagear um professor da região já falecido.

Além disso, Saad alegou na ação que o marido da parlamentar teria dito que ele possivelmente estaria extorquindo ex-prefeito de Várzea Grande. 

"O primeiro requerido [marido da vereadora] intitulou o autor de 'bicha louca', bem como disse que ele aparentemente estaria envolvido em esquemas ilícitos com o ex-prefeito do município, comentários que foram suficientes para que os veículos de comunicação local utilizassem como matéria de publicação para a sociedade local", diz trecho da decisão do juiz Luis Otávio Pereira Marques, da 3ª Vara Cível da Comarca de Várzea Grande.

Após a postagem do marido é suficiente para atingir a honra e imagem do autor, "sobretudo por ter questionado sua sexualidade e ter lhe imputado possível envolvimento na prática de conduta ilícita no exercício da sua função de vereador", como entendeu o juiz.

O magistrado estabeleceu ainda que se a vereadora e o marido não retirassem os comentários sobre Saad deveriam pagar multa diária de R$ 500.

Fábio Saad explicou que a diretora da escola foi na Câmara de Vereadores e falou que se mudasse o nome da unidade de ensino seria ruim porque teria que mudar o uniforme e outros materiais usados na instituição. 

"Por eu fazer parte da mesma região da Miriam, o marido dela começou a me ofender pela rede social. Ele começou a me xingar de bicha louca. Achei que estavam apelando, porque tenho três filhos e não acho justo que o interesse individual fique acima do coletivo", argumentou. Segundo ele, todas as acusações não são verdadeiras.

Durante uma sessão em que estava sendo discutido o projeto para mudar o nome da escola, de acordo com Saad, a vereadora foi à tribuna da Câmara para defender o que o marido havia dito na rede social. "Juntei a cópia das imagens dela falando na sessão ao processo", afirmou. 

"Esse é um tipo de assunto que não traz nenhum benefício ao município".

Do G1

Comentários