Polícia faz ação para prender suspeitos no Rio

A Polícia Civil faz, na manhã desta segunda-feira (30), uma operação para prender suspeitos de participar de um estupro coletivo contra uma adolescente de 16 anos. A ação é coordenada pelos delegados Cristiana Onorato, da DCAV (Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima) e Ronaldo de Oliveira, diretor do Departamento Geral de Polícia Especializada. O objetivo é cumprir seis mandados de prisão expedidos pela Justiça.
As investigações do caso estavam sendo feitas pela DRCI (Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática), mas, no domingo (29), o chefe da Polícia Civil, Fernando Veloso, decidiu que a investigação do crime de estupro coletivo seria transferida para a DCAV.
Em nota, a Civil informou que "a medida visa evidenciar o caráter protetivo à menor vítima na condução da investigação, bem como afastar futuros questionamentos de parcialidade no trabalho". A Civil não informou se Alessandro Thiers, que conduzia o caso, continuará investigando o vazamento das imagens do crime na internet.
Críticas ao delegado
As críticas ao delegado Alessandro Thiers começaram na sexta (27). A advogada da adolescente, Eloisa Samy, disse, na ocasião, que iria pedir o afastamento do titular da DRCI porque ele culpabilizou a vítima.
Thiers questionou se a menina, que afirma ter acordado em uma casa com 33 homens e sido estuprada, teria o hábito de fazer sexo em grupo. Também foram ouvidos dois homens que disseram que a jovem teria feito sexo consensual com um deles.
A deputada Martha Rocha (PDT), ex-chefe da Polícia Civil do Rio de Janeiro, divulgou na tarde deste sábado (28) nota em repúdio a declarações do delegado. Ela também diz acreditar que falas do agente publicadas na imprensa "criminalizam e culpabilizam" a vítima.

Comentários