Vazamento de amônia mata 1 e deixa 20 feridos - Veja vídeo

Silvana Ribas, repórter do GD

Reprodução

Funcionários foram retirados a pedido da vítima
Funcionário de frigorífico morre e cerca de 20 estão hospitalizados com intoxicação com gás do tipo Amônia, entre eles uma mulher grávida. Acidente que matou Joelson Evangelista Costa, 28,  ocorreu pouco depois das 6h desta segunda-feira (26), na unidade da Frialto Frigorífico em Matupá (695 km ao norte).
A tragédia só não foi maior porque Joelson, que era supervisor do setor de desossa, pouco antes do vazamento, retirou cerca de 200 funcionários que atuam no local. Mesmo assim, cerca de 20 que estavam no ambiente, tentando fazer reparos no equipamento responsável pela refrigeração, respiraram o gás tóxico e estão hospitalizados, alguns com gravidade.
As informações são de José Evandro Navarro, presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Carne e Lacticínios do Portal da Amazônia (Sintracal). Após o vazamento, os funcionários foram removidos para hospitais de Matupá e para o Regional de Peixoto de Azevedo (691 km ao norte), já que o frigorífico fica na divisa entre as duas cidades.
A empresa trabalha com 700 funcionários, divididos em dois turnos. A amônia é usada no equipamento de refrigeração que mantém a temperatura máxima de 12 graus no ambiente da desossa.
Ao perceber que pela manhã a temperatura estava alta, equipe de manutenção foi acionada. Neste momento, Joelson pediu para os trabalhadores darem uma pausa e iriem até o refeitório para o café, enquanto a equipe atuava. Quando foi dado o alarme do vazamento, Joelson correu para avisar os colegas, momento em que inalou diretamente a amônia.
O sindicalista cobra equipe de fiscalização da Delegacia Regional do Trabalho (DRTE/MT), alegando que a falta de auditores coloca cada vez mais trabalhadores em risco.
O delegado Claudemir Ribeiro, da Polícia Civil de Matupá, vai apurar as causas do acidente. Segundo ele, ontem aguardará os laudos periciais para dar sequência às investigações. Mas até o final da tarde a perícia não havia sido realizada já que a presença do gás no local ainda era intensa e trazia grande risco.
O corpo do trabalhador deve seguir para sepultamento em Campo Grande (MS), onde reside a família. 
Veja as imagens logo após o acidente

Comentários