Greve de caminhoneiros para mais 5 trechos de BRs

Yeda Magossi, repórter do GD

(Atualizada 18h02) No 4º dia da greve dos caminhonheiros de transporte de grãos, o movimento começou a ganhar força em outras regiões do estado. Nesta segunda-feira (16)  mais  trechos de rodovias de Mato Grosso foram interditados. 
Divulgação PRF

Trecho interditado na BR-163, km 593, na região de Nova Mutum
Segundo a Rota do Oeste, dois pontos na região de Nova Mutum, kms 593 e 601, saída para Cuiabá, onde os caminhoneiros interromperam as duas faixas sentido sul do km 593 da BR-163. Os manifestantes bloqueiam a passagem de veículos de carga e permitem a passagem de ambulâncias, ônibus, carretas-tanque, veículos de passeio e com carga perecível.
Desde sexta-feira (13), os caminhoneiros permanecem em três pontos da BR364 em Rondonópolis, kms 201,206 e 210. De acordo com um líderes do movimento, Gilson Pedro Pelicioni, estão parados 5 mil e 500 veículos em vários postos de combustíveis e no antigo aeroporto da cidade.
Todos os profissionais que fazem este tipo de serviço e que estejam percorrendo estes trechos estão sendo orientados a parar e aderir a paralisação.
Os caminhoneiros e empresários do transporte de grãos de Mato Grosso iniciaram o movimento em protesto ao valor pago pelo frete.
Ainda segundo Pelicioni, as empresas que exportam e fazem a comercialização do frete em Mato Grosso não aumentam o valor há três anos. “O nosso deficit é de aproximadamente 40%, desde 2015 estão pedindo reajuste. Até o momento não houve negociação com as tradings (empresas que comercializam produtos agrícolas), mas a expectativa é de que as conversas sejam iniciadas ainda essa semana", relatou.

Com a paralisação, somente veículos que transportam grãos estão sendo proibidos de seguir viagem. Carros de passeio e transporte de cargas perecíveis estão liberados para tráfego na via.
O setor produtivo do Estado não está sendo atingido com a paralisação, já que o transporte de combustíveis está transitando normalmente. A safra de grãos não está sendo prejudicada, conclui Gilson.

Comentários