Projeto piloto fortalece educação de Diamantino com escola em tempo integral

Uma das principais propostas de campanha da atual administração será colocada em prática no dia 6 de março: a escola em tempo integral terá início em Diamantino com um projeto piloto que está sendo implantado na Escola Municipal Brás Maimoni, no bairro Popino. Uma reunião nesta segunda-feira (06), no Auditório da Secretaria Municipal de Educação e Cultura, tratou de detalhes para a execução do projeto que vai atender inicialmente 200 crianças.
Os alunos entrarão às 7h30 e serão liberados às 15h30. Os pais ou responsáveis que não puderem buscar a criança às 15h30 podem ficar tranquilos. Os estudantes permanecerão na escola sob os cuidados de professores e técnicos de desenvolvimento infantil, até a chegada do responsável. As atividades ao longo do dia serão divididas entre a sala de aula e projetos complementares. “No período da manhã os alunos vão estudar normalmente as matérias. E à tarde serão atividades diversificadas. Ao longo do dia as crianças terão três refeições, com cardápio recomendado por uma nutricionista”, ressalta a secretária de educação, Edith Marmos.
O prefeito de Diamantino, Eduardo Capistrano, aponta as vantagens do investimento na educação. “A gente sabe que esse projeto representa uma despesa a mais para o Município. Mas vejo como um investimento. Quanto mais investirmos em nossas crianças, em nossos jovens, o retorno para a sociedade é muito melhor. Essa escola em tempo integral vai proporcionar às crianças se tornarem homens e mulheres melhores, no futuro”, afirma.
Segundo o prefeito, após as adequações iniciais e comprovado o sucesso do projeto, outras unidades de ensino passarão oferecer o estudo em tempo integral. “Temos um compromisso com a população de implantar a escola em tempo integral. É um projeto que tínhamos já em 2008, quando meu pai foi eleito prefeito. Infelizmente, na época não foi possível. Este é um projeto piloto. É um começo. Esperamos implantar muito mais escolas de tempo integral nesses quatro anos de mandato. Inclusive já temos um projeto para implantar na Escola Castro Alves, na comunidade do Caeté. Mas dependemos de mais três salas de aula. Vamos atrás dos recursos para construção destas salas e, quem sabe até o ano que vem, conseguiremos implantar a escola em tempo integral por lá, também”, aponta.
Ainda de acordo com Capistrano, é necessária a construção de uma escola em Diamantino pensando exclusivamente no ensino em tempo integral. Porém, enquanto o município não tem recursos específicos para este propósito, é importante colocar o projeto em prática desde já. “Temos que tentar buscar recursos para construir uma escola específica, pronta para o horário integral. Mas se esperarmos a construção para iniciarmos esse projeto, pode ser que demore de dois a quatro anos. Então preferimos, neste primeiro momento, já utilizar uma escola existente. Adaptá-la para funcionar em tempo integral e, desta forma, sentirmos como será a realidade dos alunos”, explica.
Educação valorizada
Em menos de dois meses de gestão, a valorização da educação já é considerada uma marca da atual administração. A folha de pagamento de janeiro dos professores veio com uma bela surpresa: o adiantamento de um terço das férias. Algo que não acontecia há muitos anos. “Faço parte do Sindicato dos Professores. E foram sete anos pedindo para receber em janeiro, que é o período em que o professor tira as férias. E nunca tivemos respaldo no atendimento deste pedido da classe. O motivo sempre foi que o sistema [de informática] não aceitava. Sabendo disso, pedi para a responsável do setor de Recursos Humanos já contatar o pessoal do sistema. Não teve problema algum. Pagamos um terço de férias e, graças a Deus, deu tudo certo. Os professores estão muito contentes”, afirma a secretária Edith Marmos.
                  

                                                                                                                             Fonte: Marcus Coelho

Comentários