Presos fazem greve de liberdade na PCE e 'vetam' advogados e atendimento médico

Redação do GD
Presidiários ligados à facção criminosa Comando Vermelho (CV) iniciaram uma greve de 'liberdade' na manhã desta quinta-feira (22), na Penitenciária Central do Estado (PCE).
De acordo com informações de uma fonte do Gazeta Digital, outros presos que não são membros da facção também estão sendo obrigados a não receber visitas de advogados, atendimento médico. Os presidiários só poderão deixar a unidade caso sejam beneficiados com algum alvará de soltura.
A greve seria porque os presidiários estão revoltados com a nomeação da nova direção da unidade, pois o sistema de fiscalização com relação a drogas e aparelhos de celulares tem se tornado mais eficaz nesta semana, desde que o diretor Revétrio Francisco da Costa, assumiu o comando da maior unidade prisional de Mato Grosso.
Com isso, houve a revolta e os detentos começaram o movimento que ainda é recebido como surpresa pela Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh-MT) e a Ordem dos Advogados do Brasil de Mato Grosso (OAB-MT).
Na tarde da última terça-feira (20), o detento Jesuíno Cândido da Cruz, 27, que cumpria pena na mesma unidade, foi morto com um tiro na cabeça durante um motim. O tiro foi disparado por algum agente prisional durante a contenção do tumulto. O caso está sendo investigado pela Polícia Civil.
No entanto, a versão de que se tratou de um motim foi negada ao Gazeta Digital pela mãe do preso que foi morto, Cleide Bastos da Silva e por uma fonte ligada à penitenciária, já que o disparo foi efetuado por um agente prisional.

Comentários