“Vamos ter que chorar pelo falecimento de crianças”, diz Gilberto sobre possível volta às aulas



De volta ao trabalho presencial após ser infectado pelo novo coronavírus, o secretário de Estado de Saúde Gilberto Figueiredo se posicionou contra o retorno presencial das aulas no estado. Segundo ele, se as escolas voltarem a funcionar, a população vai “chorar a morte de crianças”, algo que tem acontecido pouco no Brasil.

Gilberto explicou que, até hoje, morreram em decorrência da Covid-19 cerca de 300 crianças. Em Mato Grosso, um dos casos foi o de um bebê indígena de 45 dias, que faleceu no último dia 13 de junho. No entanto, os casos ainda são poucos.

"Tem gente que já está fazendo pressão para voltar as aulas presencialmente. Façam isso e verão o que vai acontecer. A coisa vai piorar muito. E aí nós vamos ter que chorar pelo falecimento de crianças, que nesse momento estão percentualmente protegidas. No Brasil inteiro, eu acho que o total de crianças mortas por Covid foi de aproximadamente 300 nesse universo de 74 mil... mas volta as aulas normais para ver o que vai acontecer... vai acontecer isso. O vírus é transmitido de pessoa pra pessoa, e um percentual deles vão ser vitimizados dentro dessa pandemia”, declarou Gilberto.


O secretário ainda lembrou que, apesar de haver poucas crianças infectadas que tem seu quadro de saúde agravado, elas transmitem a doença, e isso pode acontecer de forma ainda maior caso as aulas voltem a ser presenciais. “Já é difícil convencer e manter distanciamento social nos adultos, como fazer isso com as crianças? Como fazer uma criança usar máscara, não se aproximar de outra, manter um distanciamento? É quase que impossível. Seria utopia achar que nós conseguimos fazer isso”, disse.

Fonte: Olhar Direto

Comentários