Prefeitura proíbe eventos de Carnaval em Cuiabá após aumento nos casos de Covid-19

 

Prefeitura proibiu eventos de Carnaval em Cuiabá por causa dos casos de Covid-19 — Foto: Fernando Maia/Divulgação

O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, assinou um novo decreto que proíbe a realização de eventos carnavalescos na capital nos dias 15 e 16 de fevereiro de 2021.

O decreto ainda transforma as datas 15, 16 e 17 em dias úteis. Dessa forma, o expediente no serviço público municipal funcionará normalmente. O decreto foi divulgado nesta segunda-feira (25).

O prefeito determinou ainda a suspensão da emissão de qualquer tipo de autorização para eventos e festejos nas datas citadas sob pena de multa para quem descumprir o decreto.

A medida, conforme o gestor, foi tomada por causa do crescente número de casos confirmados, bem como de óbitos decorrentes do vírus.

Segundo a prefeitura, a festa, que é uma tradição no país, evidencia uma probabilidade de alta transmissibilidade e risco de agravamento do atual quadro de saúde pública vivenciada, decorrente da pandemia do coronavírus.

Casos de Covid-19

Mato Grosso registrou 14 mortes e 341 novos casos de Covid-19 neste domingo (24), segundo a Secretaria Estadual de Saúde (SES). Desde o início da pandemia, foram 208.088 pessoas infectadas pelo vírus e 4.968 mortes em decorrência da doença no estado.

Dentre os dez municípios com maior número de casos de Covid-19 estão: Cuiabá (45.380), Várzea Grande (13.815), Rondonópolis (13.840), Sinop (11.009), Tangará da Serra (9.173), Sorriso (9.048), Lucas do Rio Verde (8.388), Primavera do Leste (6.367), Cáceres (4.838) e Nova Mutum (4.373).

Denúncias

Para atendimento das denúncias referentes ao descumprimento das disposições contidas no decreto, o Município disponibiliza os seguintes canais de comunicação: Disque Silêncio (fone: 99341-3000) e Polícia Militar (fone: 190).

A fiscalização será realizada pelas secretarias municipais de Ordem Pública, de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano Sustentável, de Mobilidade Urbana (Semob), Vigilância Sanitária, além da Polícia Militar (PM).

Fonte: G1 MT


Comentários